Home / Inicio / Notícias / Municípios se manifestam contra a dívida do Estado

Municípios se manifestam contra a dívida do Estado

Centenas de municípios continuam se manifestando contra a dívida do Estado

 

Mobilizações-do-dia-10-de-ago-2018

http://portalamm.org.br/centenas-de-municipios-continuam-se-manifestando-contra-a-divida-do-estado/

Prefeitos e servidores públicos municipais prometem adesão total à
mobilização geral da AMM no dia 21 e agosto

O povo brasileiro já foi às ruas por diferentes motivos – reajuste salarial, alta taxa tributária e insatisfação popular. Desta vez, o movimento tem um caráter diferente: prefeitos e servidores públicos municipais mineiros se manifestam contra o desrespeito à Constituição Federal, devido à ausência de transferências de recursos do Governo do Estado para os municípios, acumulando dívida de R$ 7,6 bilhões. Para evitar que as prefeituras se inviabilizem, os gestores precisem cortar serviços essenciais à população e deixem os servidores sem salários, após sucessivos atrasos e ausências de pagamentos, a última sexta-feira, 10 de agosto, foi marcada por paralisação dos serviços públicos de todo o Estado, entre outras várias manifestações públicas.

Os gestores cobram recursos do IPVA e ICMS para a educação, transporte escolar, Piso Mineiro de Assistência Social e repasses da Saúde, além de multas e correções dos atrasos. A falta destes repasses tem obrigado as administrações municipais a utilizar recursos próprios, o que acaba sendo um paliativo que pode comprometer outras necessidades básicas como infraestrutura e folha de pagamento.

A AMM está encabeçando movimentos, desde o final do ano passado, e movendo ações judiciais contra os atrasos do Estado. Desta vez, a entidade tem o apoio das associações microrregionais. De acordo com o presidente da Associação, 1º vice-presidente da CNM e prefeito de Moema, Julvan Lacerda, as paralisações são necessárias para evitar caos nas prefeituras, que já estão sem dinheiro em caixa para honrar os compromissos com a prestação de serviço público.

“Quando o movimento nasce das bases, assim como está acontecendo, porque as microrregionais iniciaram esse movimento, é por não aguentarem mais e não terem condições de pagar os salários dos servidores. Isso fortalece o movimento para que possamos fazer a mobilização em nível estadual baseada no real anseio dos prefeitos. Não é um movimento que começou de cima para baixo, ele está vindo de baixo pra cima, de quem não está aguentando mais o peso dessa irresponsabilidade do Governo do Estado”, afirma Julvan.

O presidente da AMM está acompanhando as mobilizações por todo o Estado. Conforme disponibilidade na agenda, ele comparece em diferentes eventos, como gestor da entidade que representa os municípios mineiros, e, principalmente, por ser prefeito e sentir na prática os efeitos nocivos dos atrasos dos repasses para os caixas das prefeituras mineiras e, consequentemente, por diminuir os atendimentos à população.

Mobilizações pelo Estado 

Guidoval: Em carta aberta à população, a prefeita Soraia Vieira de Queiroz comunica que no dia 21 de agosto não haverá expediente na prefeitura, secretarias e departamentos. Na cidade, funcionarão apenas serviços de saúde, limpeza urbana e aqueles considerados essenciais à população. “Os prefeitos estarão reunidos na Cidade Administrativa para discutir a nossa situação e decidir de maneira regionalizada quais medidas serão tomadas para evitar o colapso social e econômico do nosso Estado. Manifestamos a nossa profunda tristeza por sermos obrigados a tomar essa atitude e por outras que poderão vir a serem tomadas, mas nesse momento não nos resta outro caminho.”

Cataguases: Se o governo não pagar, Cataguases vai parar. Com esse mote, foi promovida uma manifestação, no dia 6, em frente ao paço municipal, com a presença do prefeito de Cataguases, Willian Lobo, e mais 11 representantes de municípios da região, entre prefeitos e vice-prefeitos, além de servidores municipais, organizações sociais, vereadores e população em geral. O objetivo foi tornar público o descaso do Governo do Estado de Minas Gerais com os municípios, todos atualmente em situação financeira crítica.

Resplendor: O prefeito de Resplendor, Diogo Scarabelli, recebeu gestores da região, no dia 8, para o Fórum Emergencial Regional de Crise – Atrasos do Governo do Estado de Minas Gerais para os municípios. No evento, compareceram os prefeitos Valter Nicoli (Itueta), Jujuba (Galileia), Eliana Moraes (Conselheiro Pena), Marcelo Marques (Aimorés), Ernani Macedo (Pocrane) e o Secretário de Educação de Santa Rita do Itueto, Wasley Alexandre, representando o prefeito Firmino Tom.

Definições dos prefeitos no evento:

  • Paralisação dos servidores da Secretaria Municipal de Educação nas sextas-feiras 10 e 17 de agosto.
  • Participação dos prefeitos na mobilização da AMM, em Belo Horizonte, no dia 21 de agosto, contra os atrasos do Governo do Estado.
  • Nos municípios, servidores municipais manifestarem e prefeituras ficarem fechadas.

São Félix de Minas: Nesta sexta-feira (10) a Prefeitura Municipal de São Félix de Minas fez um protesto ao Governo e fechou as portas mantendo apenas os serviços essenciais, conforme decisão tomada no Fórum Emergencial do Leste de Minas, pois os débitos com a Educação e a Saúde já chegam a R$ 2 milhões; os recursos próprios e medidas paliativas já não são suficientes e comprometem os orçamentos para o próximo mês. O ato foi em frente à Prefeitura e contou com a presença de vereadores, secretários, prefeito, vice-prefeito e muitos servidores. O objetivo foi informar a população do que está acontecendo, pois os servidores não podem ficar sem seus salários.

Virginópolis: As prefeituras da Comarca de Virginópolis já fizeram paralisação em protesto contra a dívida do Governo de Minas, no dia 3, mediante acordo coletivo com ciência do Ministério Público. Todas as cidades da comarca paralisaram seus serviços como forma de protestar pelo não recebimento dos repasses financeiros de verbas essenciais para manutenção das políticas públicas, em especial as ações de saúde e educação. Se a situação não for regularizada, novas paralisações acontecerão nos dias 10 e 17 de agosto de 2018.

Campo Belo: Campo Belo foi sede do Fórum Emergencial, no dia 8, que contou com representantes dos municípios do Sul, Sudoeste e Centro-Oeste mineiro. “Não é só Campo Belo, mas a maioria dos municípios está passando por sérias dificuldades, principalmente para o pagamento do transporte escolar e dos profissionais da Educação. A Saúde tem sido a maior vítima de todas. A falta de recurso em Campo Belo beira os R$ 19 milhões. Temos que correr atrás do que é nosso por direito. O Estado não está cumprindo com a parte dele, e nós não podemos fazer o mesmo com a população”, reforçou o prefeito Alisson de Assis.

No evento, foram definidas as ações:

  • Paralisação e suspensão das atividades nas prefeituras todas as sextas-feiras, a partir do dia 20 de agosto.
  • Paralisar todas as atividades escolares, a partir do dia 20 de agosto, caso não haja a regularização dos repasses do Fundeb, incluindo o transporte escolar.
  • Propor Ação Civil Pública em conjunto com a Associação Mineira de Municípios.
  • De acordo com o termo definido no fórum, o ponto facultativo não se aplicará aos serviços essenciais, como Defesa Civil, limpeza urbana e serviços emergenciais da saúde.
  • A ata foi registrada e será enviada ao Governo do Estado, que foi convidado, porém não mandou representante.

O Fórum contou com a presença de prefeitos e representantes dos municípios de Campo Belo, Perdões, Santo Antônio do Amparo, Aguanil, Piumhi, Itajubá, Pará de Minas, Itaúna, Nepomuceno, Formiga, Boa Esperança, Coqueiral, Candeias, Moema, Bom Sucesso, Santana do Jacaré, Lavras, Cristais e Tapiraí, autoridades, e do Presidente da AMM, Julvan Lacerda.

“Essa iniciativa só reforça o grande evento que acontecerá dia 21 de agosto em Belo Horizonte, que cobrará do Governo do Estado a responsabilidade com os municípios”, disse Julvan.

Uberlândia: A Prefeitura de Uberlândia definiu paralisar o atendimento ao público no dia 10 no Centro Administrativo Municipal e nas sedes administrativas do Departamento Municipal de Água e Esgoto (Dmae) e do Instituto de Previdência dos Servidores Públicos de Uberlândia (Ipremu). Os trabalhos internos, no entanto, foram mantidos. Aulas na rede municipal de ensino e todos os atendimentos nas unidades de saúde também não foram afetados. A suspensão do atendimento, oficializada por meio de decreto, ocorreu em adesão da Administração Municipal ao ato de repúdio e preocupação da Associação dos Municípios da Microrregião do Vale do Paranaíba (Amvap) devido ao não repasse sistemático de recursos de direito por parte do Governo de Minas.

“Estamos fazendo uma administração como em tempos de guerra. Nossa missão é continuarmos mantendo equilíbrio financeiro e os serviços essenciais ao povo. Portanto, vamos continuar fazendo gestão pública séria e responsável”, destacou Odelmo Leão, prefeito de Uberlândia.

Caratinga: No Fórum Emergencial de Saúde, Educação e Desenvolvimento Social da Microrregião de Caratinga, no dia 7, dezenas de municípios assinaram manifesto encaminhado ao Estado. O evento reuniu municípios da Associação dos Municípios do Vale do Aço (AMVA), com apoio da AMM, do Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento Econômico e Social do Leste de Minas Gerais (Cides Leste); e das associações dos municípios da Microrregião Vertente Ocidental do Caparaó (AMOC) e do Rio Doce (ARDOCE).

Os prefeitos presentes, dos municípios de Caratinga, Governador Valadares, Inhapim, Iapu, Ubaporanga, São João do Oriente, São Sebastião do Anta, Piedade de Caratinga, Entre Folhas, Vargem Alegre, Imbé de Minas e Dom Cavati, decidiram, a partir do dia 21 de agosto de 2018:

  • Paralisar e suspender as atividades das prefeituras municipais, todas as sextas-feiras, até o dia 21 de agosto (exceto serviços essenciais).
  • Paralisar todas as atividades escolares da rede pública municipal a partir do dia 21 de agosto, caso não haja regularização dos repasses do Fundeb. Data em que será paralisado também o transporte escolar da rede pública estadual.
  • Suspender os convênios com órgãos do Estado, a partir do dia 21 de agosto, caso não haja a regularização dos repasses.
  • Suspender, após prévia notificação, a cessão e fornecimento de bens e serviços, a exemplo de imóveis, servidores, combustível, entre outros, oportunidade em que serão diretamente atingidos órgãos como EMATER, IMA, AF, IEF, Polícias Militar, Polícia Civil e demais entidades.
  • Exigir do Governo do Estado a imediata implantação do Consurge/Cisvales.
  • Propor Ação Civil Pública.
  • Pleitear a intervenção do Governo Federal no Estado de Minas Gerais, considerando o descumprimento de deveres constitucionais em relação aos municípios.

Tiradentes: No dia 1º de agosto, a Associação dos Municípios da Microrregião do Campo das Vertentes (Amver) promoveu ato público com a participação de Prefeitos, Secretários Municipais e servidores da Educação dos municípios filiados, com objetivo de manifestar repúdio e alertar a sociedade e os órgãos fiscalizadores e de justiça do descumprimento de preceitos constitucionais e infralegais, causado pelo atraso nos repasses e pelo confisco de recursos dos municípios pelo Governo de Minas, principalmente nas áreas da Educação, Saúde e Assistência Social, com retenção de recursos do Fundeb, que poderá causar, nos próximos meses, falta de pagamento dos profissionais da Rede Municipal de Educação em quase todos os municípios da região e do Estado de Minas Gerais.

Durante o ato, os prefeitos da Amver e demais participantes do manifesto assinaram um documento que será encaminhado ao governador deixando claro que os municípios necessitam dos valores devidos “sob pena de serviços básicos nas áreas de saúde e educação serem paralisados caso o Estado não regularize os repasses”.

Norte de Minas: Quatro prefeituras do Norte de Minas decidiram parar as atividades em protesto contra os atrasos no repasse de verbas obrigatórias por parte do governo de Minas. Os serviços públicos de Padre Carvalho, Catuti, Bocaiuva e Patis não irão funcionar a partir de 21 de agosto – permanecem apenas os considerados básicos, como saúde. A expectativa é a de que mais cidades façam parte do protesto. A mobilização tem o intuito de mostrar à sociedade a caótica situação financeira das prefeituras mineiras com os constantes atrasos no repasse de verbas pelo governo do Estado.

Capelinha: Cerca de 60 prefeitos do Vale do Jequitinhonha e Mucuri se reuniram, no dia 13 de agosto, no evento organizado pela UMVALE, quando foram decididas as ações:

  • Participar e aderir ao movimento de paralisação da AMM, no dia 21 de agosto.
  • Paralisar todas as atividades das escolas da rede pública municipal, incluindo o Transporte Escolar, a partir do dia 3 de setembro, caso não haja regularização dos repasses referente ao Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb).
  • Suspender convênios com órgãos do Estado a partir do dia 3 de Setembro, bem como a cessão e fornecimento de bens e serviços como imóveis, servidores, combustíveis, entre outros, o que deve atingir órgãos como a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater) e o Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA). E, também, suspender os pagamentos da Copasa, Copanor e Cemig com prévio aviso a esses órgãos no dia 20 de agosto.
  • Impetrar ação de cobrança contra o Estado de Minas Gerais caso o débito com o Fundeb não seja quitado ou se for de maneira parcial.
  • Decretar Estado de Calamidade Financeira em virtude da retenção dos repasses Constitucionais por parte do Estado de Minas Gerais.
  • Pleitear a intervenção do Governo Federal no Estado de Minas Gerais, considerando o descumprimento de deveres constitucionais em relação aos municípios.

Uberaba: A Associação dos Municípios da Microrregião do Vale do Rio Grande (Amvale) promoveu uma assembleia geral no dia 14, em sua sede, em Uberaba. Além dos prefeitos associados, também foram convidados os vice-prefeitos, presidentes de câmaras municipais e vereadores dos 13 municípios que compõem a associação. Na pauta, foi definido:

  • Ações a serem desenvolvidas em cada município e em Belo Horizonte, na mobilização proposta pela AMM no dia 21, face aos atrasos dos repasses aos municípios pelo Governo Estadual.
  • Definir as prioridades da região da Amvale a serem apresentadas aos candidatos ao Governo de Minas Gerais.

Matipó: A Prefeitura de Matipó promoveu, no dia 15 de agosto, o Encontro Regional de Prefeitos, quando reuniu lideranças de 12 municípios vizinhos, e contou com a presença do Presidente da AMM, Julvan Lacerda. O encontro teve como objetivo o fortalecimento da mobilização dos prefeitos que sofrem para administrar as cidades com a alta dívida do Estado com os municípios.

Outras mobilizações: As assessorias dos municípios de Santa Efigênia de Minas, Imbé de Minas, Aimorés, Pedra Azul, Alpinópolis, Senhora de Oliveira e Rio Casca também comunicaram mobilizações contra os atrasos nos repasses. Os próximos eventos programados são:

  • Dia 17: às 15 h no Centro de Eventos Niquinho Assunção, na Avenida Paulo Hipólito S/N Centro, em Nepomuceno.

Clique aqui e confira as mobilizações anteriores em todo o estado de Minas Gerais.

21 de agosto

A Associação Mineira de Municípios (AMM) está preparando uma grande mobilização para o dia 21 de agosto, terça-feira. Às 13h, os prefeitos e prefeitas irão se concentrar na Cidade Administrativa, em Belo Horizonte, de onde partirão em carreata até o Palácio da Liberdade. No interior, os servidores prometem várias ações públicas, evidenciando para a população a insatisfação com a grave situação que os municípios estão passando.

Saiba mais sobre a mobilização aqui.

Publicado em 13 de agosto de 2018.

 

 

fonte: Associação Mineira de Municípios (AMM)

Sobre Administração

Deixe uma resposta

Seu email nao sera publicado. Required fields are marked *

*

Scroll To Top